Tabela comparativa (Real x Ouro x BTC x XMR)

Neste artigo iremos fazer uma comparação detalhada entre as moedas que você já conhece e o Monero.

Durabilidade

  • Real (C): o dinheiro de papel possui duração limitada. O dinheiro eletrônico tem a mesma vida útil dos dispositivos eletrônicos.
  • Ouro (A+): por ser um metal, a durabilidade do ouro é a maior entre as moedas
  • Bitcoin (B): como geralmente é armazenado em dispositivo eletrônicos, podemos considerar a sua durabilidade menor do que a do ouro.
  • Monero (B): como geralmente é armazenado em dispositivo eletrônicos, podemos considerar a sua durabilidade menor do que a do ouro.

Portabilidade

  • Real (B): o dinheiro em espécie é bastante portátil para pequenas quantias. No entanto, para quantias maiores, o seu transporte pode ser um problema.
  • Ouro (D): por ser um metal, seu transporte é uma limitação.
  • Bitcoin (A+): todos os bitcoins do mundo poderiam ser carregados em um único pendrive.
  • Monero (A+): todos os Moneros do mundo poderiam ser carregados em um único pendrive.

Fungibilidade

  • Real (D*): a moeda em espécie é bastante fungível. No entanto, as transações realizadas eletronicamente são controladas pelos bancos, deixando rastros. Receber um depósito de uma conta bancária X pode ser mais arriscado do que receber um depósito de outra conta bancária.
  • Ouro (A): por ser físico, uma unidade de ouro ainda pode valer mais do que outra no mercado. Por exemplo, um anel de ouro pode valer mais do que a mesma quantidade de ouro derretida. Uma barra de ouro roubada pode valer menos do que uma barra de ouro comprada em uma loja.
  • Bitcoin (C): como o histórico de todas as transações é transparente, alguns bitcoins acabam valendo mais do que outros no mercado. Receber um bitcoin que foi usado na deep web para comprar drogas pode ser mais arriscado do que receber um bitcoin ‘limpo’.
  • Monero (A+): como cada moeda de Monero é indistinguível uma da outra, ou seja, não existem moedas marcadas na rede Monero. Como todas as moedas são iguais, você não precisa se preocupar com a origem das moedas. Tanto faz se você receber uma moeda proveniente de um criminoso ou de uma pessoa honesta.

Irreversibilidade

  • Real (D): as transações com Real podem ser revertidas, especialmente aquelas realizada com cartão de crédito. Isso acaba resultando em um risco maior para quem aceita a moeda, em especial os comerciantes. A exceção são as transações realizadas com dinheiro em espécie (notas e cédulas), que são mais difíceis de serem revertidas.
  • Ouro (A):
  • Bitcoin (A+): as transações com Bitcoin são irreversíveis.
  • Monero (A+): as transações com Monero são irreversíveis.

Reserva de valor

  • Real (C):
  • Ouro (A+):
  • Bitcoin (B):
  • Monero (B):

Escassez

  • Real (F): através da política monetária, o Banco Central pode produzir novas moedas à vontade, o que acaba gerando inflação.
  • Ouro (A): embora seja muito escasso, o ouro é minerado até os dias atuais, possuindo uma inflação muito baixa.
  • Bitcoin (A+): terá uma produção máxima de 21 milhões de unidades. A seguir, se tornará uma moeda deflacionária.
  • Monero (A): terá uma produção infinita de moedas, conhecida como emissão em cauda, o que gerará uma inflação muito baixa.

Tradição

  • Real (A):
  • Ouro (A+): o ouro já é usado há séculos como meio de troca.
  • Bitcoin (B): o Bitcoin foi lançado em 2009.
  • Monero (C): o protocolo CryptoNote (usado no Monero) foi lançado em 2013 e o Monero foi lançado em 2014.

Resistência à censura (descentralização)

  • Real (D*): com a exceção do dinheiro em espécie, o Real das contas bancárias pode ser facilmente confiscado através de legislação.
  • Ouro (B): por ser físico e aceito mundialmente, o ouro é uma moeda difícil de ser proibida/banida.
  • Bitcoin (A): por não ser resistente aos chips especializados de mineração (ASICs), o Bitcoin possui uma mineração mais centralizada, o que pode representar um risco à segurança da rede no futuro.
  • Monero (A+): o algoritmo de mineração do Monero é programado para evitar o surgimento de chips especializados em sua mineração (ASICs) e dar preferência à mineração por computadores comuns (CPUs) e placas de vídeo (GPUs). Essas características acabam tornando a sua mineração mais descentralizada.