Monero avança implementação de atomic swaps com Bitcoin

Após extensas pesquisas e muita discussão entre os especialistas da comunidade, o projeto Monero finalizou em setembro o financiamento coletivo para a implementação de trocas atômicas (atomic swaps) com o Bitcoin. Após cerca de apenas 48 horas e 137 contribuições voluntárias, a comunidade arrecadou os 2.727 XMR necessários para o desenvolvimento do projeto, totalizando o equivalente a 293 mil dólares (1,6 milhões de reais) na cotação do dia.

A complexa implementação da solução de atomic swaps será realizada por cinco desenvolvedores do projeto Monero, e o tempo estimado para a conclusão do projeto é de cerca de 7 meses, com entrega estimada para o segundo trimestre de 2021.

O que é um atomic swap

Atomic swap é uma troca de diferentes criptomoedas entre duas pessoas, realizada sem intermediários. Nesse tipo de troca, cada pessoa começa o processo de troca com suas moedas (BTC ou XMR) e somente dois desfechos são possíveis: ou a troca é realizada (quem tinha BTC fica com XMR e quem tinha XMR fica com BTC), ou a troca não é realizada.

Qual problema o atomic swap resolve?

Atualmente, para realizar trocas entre duas moedas diferentes, ainda é necessário um terceiro, pois sempre há o risco de a pessoa que recebeu a primeira transferência fugir com o dinheiro recebido sem pagar a sua parte. Isso é especialmente problemático no mundo das criptomoedas, onde as transações são irreversíveis. Diversos relatos de fraudes desse tipo já foram descritos pelos usuários, seja em transações realizadas através da internet (o golpista recebe a sua parte e para de responder as mensagens), seja presencialmente (o golpista recebe a transação inicial em sua carteira e sai correndo pela rua).

Em função desse risco de golpe, atualmente a grande maioria das trocas de criptomoedas são realizadas através de intermediários. Os usuários costumam usar serviços centralizados (exchanges convencionais) ou serviços descentralizados com um árbitro intermediário (exchanges descentralizadas como a bisq ou OpenBazaar). Neste último caso, para evitar golpes, ambos os usuários depositam o dinheiro em um endereço multisig 2-de-3, cujas chaves privadas são controladas pelos dois usuários que estão trocando as moedas (Alice e Bob) e um árbitro que é de confiança de ambos os usuários. Para que a transação seja assinada em um endereço multisig 2-de-3, dois usuários precisam assinar a transação. Em condições normais, quando a troca ocorre dentro do esperado, quem assinará a transação será Alice + Bob. Nos casos em que houver uma disputa entre Alice e Bob, o árbitro fará o papel de intermediador, e criará uma transação com sua decisão final, que será assinada por Alice + árbitro ou Bob + árbitro.

Como funcionará

Com o desenvolvimento do protocolo de atomic swap entre o Monero e o Bitcoin, os usuários dessas criptomoedas poderão trocar suas moedas livremente, diretamente de suas próprias carteiras, sem a necessidade de árbitros ou de exchanges intermediárias.

O Monero será travado em um endereço gerado pelas carteiras de ambos os participantes. Na fase inicial, nenhum dos participantes terá controle completo sobre o endereço, ambos terão apenas metade da chave privada. Após trocarem informações entre si, as carteiras de ambos os usuários realizarão a troca das moedas de maneira segura, sem riscos para os usuários.

Riscos para a privacidade

Na parte da blockchain do Bitcoin, haverá um pequeno risco de comprometimento da privacidade, pois qualquer observador externo poderá identificar que o usuário fez uma transação multisig 2-de-2.

Na parte da blockchain do Monero, não haverá riscos de privacidade, pois a quantia enviada na transação e os endereços do destinatário e do remetente são ofuscados por padrão.

Implicações futuras

Muitos usuários estão considerando a implementação do atomic swap como um divisor de águas no mundo das criptomoedas, pois qualquer usuário que possui Bitcoin poderá converter suas moedas para Monero, e vice-versa, sem precisar usar nenhum serviço de terceiros. Ou seja, mesmo que todas as exchanges do mundo sejam proibidas, e mesmo que as criptomoedas sejam proibidas, os usuários ainda poderão realizar trocas entre XMR e BTC, basta encontrar alguém disposto a fazê-las.

Privacidade para o Bitcoin

Os usuários do Bitcoin também se beneficiarão dos atomics swaps, pois poderão “limpar” o histórico de seus bitcoins, ao converterem inicialmente seus valores para Monero e, a seguir, após um decorrido um certo período de tempo, ao converterem seus valores novamente para Bitcoin.

Idealmente isso deverá ser feito com um intervalo grande entre as transações BTC-XMR e XMR-BTC, pois uma análise dos valores na blockchain do BTC poderia deduzir que duas transações com a mesma quantia pertencem ao mesmo usuário.

Rampa de entrada para o Monero

Além de servir como fonte adicional de privacidade para o Bitcoin, o Monero se beneficiará com os atomics swaps, pois muitos usuários usarão essa funcionalidade, e com isso conhecerão as vantagens do Monero.

Conclusão

Os atomics swaps permitirão que os usuários de Bitcoin e Monero troquem suas moedas entre si, sem intermediários, de uma maneira segura, sem riscos de fraudes, através de um preço previamente acordado entre as partes.

A transação realizada na rede Bitcoin provavlemente será identificável, ou seja, um observador externo saberá que uma transação foi feita para trocar determinadas moedas de Bitcoin por Monero.

A tecnologia será segura e benéfica para todos usuários. Os usuários do Bitcoin se beneficiarão com a privacidade do Monero, podendo retornar à rede Bitcoin quando acharem necessário. Os usuários do Monero se beneficiarão com os novos usuários de Bitcoin que conhecerão sua tecnologia de privacidade, podendo se tornar futuros usuários e investidores.