Guia: como criar uma carteira em papel para armazenamento offline

Boas práticas de backup recomendam ao menos ter três cópias de suas chaves privadas guardadas de forma segura. Criar uma carteira em papel é uma das maneiras mais simples e eficientes de guardar seus Moneroj de forma off-line. Este guia é baseado e usa imagens disponíveis no site Monero.How.

Além de ser um bom backup, muitas pessoas preocupadas com a segurança preferem criar a carteira Monero de forma off-line e depois guardar a chave privada em papel. Se você está buscando segurança máxima, crie sua carteira usando o nosso guia da carteira oficial, mas em um computador completamente off-line.

Passo 1: Informe-se

Tão importante como saber criar uma carteira de papel, é estar bem informado sobre o que são as informações que constam nela. Toda carteira em papel do Monero contém algumas informações que podem ser divulgadas e outras informações secretas que não devem ser informadas para ninguém.

Ao criar uma carteira, os seguintes dados são gerados:

  • Uma semente mnemônica (25 palavras)
  • Um endereço público
  • Duas chaves privadas (2)
    • Uma chave de visualização
    • Uma chave de gasto

a) Semente mnemônica (mnemonic seed)

A semente mnemônica é o backup de toda a sua carteira. Ela corresponder a 25 palavras aleatórias de um dicionário pré-determinado, que devem ser anotadas na exata ordem de aparecimento.

A semente mnemônica é a única informação da paper wallet que realmente é obrigatório que você anote. A partir dela o software de carteira consegue deduzir qual é o endereço público e as duas chaves privadas que pertencem à carteira.

Exemplo:

guest shrugged left rustled goes vague zippers skater gills sickness elapse apply nucleus exhale pencil uptight eluded iguana tether swiftly anxiety bested wise acumen uptight

*Obs: Não use as palavras acima para gerar a sua carteira!

b) Chaves privadas

A partir da semente mnemônica, o software de carteira consegue deduzir as suas chaves privadas. A semente mnemônica é apenas uma forma diferente de se anotar as chaves privadas, só que de uma maneira mais fácil de se anotar, diminuindo as chances de se anotar um número ou letra errada.

Ao contrário do bitcoin, que possui apenas uma chave privada, o Monero possui duas chaves privadas:

  • Chave de gasto (spend key): é necessária para para gastar os seus Moneros. Assim como o Bitcoin, cada endereço público possui uma chave privada para gastar os bitcoins contidos nele. Essa é a chave mais importante, quem tiver acesso a ela poderá criar transações com os moneros contidos no endereço público correspondente.
  • Chave de visualização (view key): é necessária para visualizar o saldo do seu endereço público. Ao contrário do Bitcoin, o Monero é uma moeda privada, ou seja, ninguém sabe o quanto há de saldo em cada endereço, a menos que a pessoa possua autorização. Essa “senha” é a chave de visualização (view key). Se alguém tiver acesso apenas à sua chave de visualização, a única coisa que a pessoa poderá fazer é ver qual o seu saldo naquele endereço.

b) Endereço público (public address):

O endereço público nada mais é do que o código que você informa para as outras pessoas lhe enviarem Monero. Como o próprio nome diz, ele é público, e você pode divulgá-lo a vontade.

Ele é composto por diversos números e letras maiúsculas e minúsculas, e começa sempre pelo número 4. O endereço público nunca contém a letra L minúscula (“l”), para que não haja confusão com o número um (“1)”.

Exemplo:

47sp1XE6o988yAhCtiqjMwc5cu1fT16srWFZ1iEyvHjU2GvK54ec4BXgDEqhDMnK6uScTwEfSUmtUCbXQeYvebyqC2gmxEq

Passo 2: Criando a carteira

A maneira mais fácil e segura de você gerar os dados da carteira de papel é acessando o site https://moneroaddress.org/. Esse site faz a geração da carteira em seu próprio computador, sem que nenhum dado seja transmitido para o site. A maneira mais segura de se fazer isso é baixando o site no repositório oficial do GitHub (ou clique aqui) e executando o arquivo index.html em um computador que nunca teve ou terá acesso à internet.

Alternativamente você também pode criar a carteira através de um software de carteira do Monero e anotar a semente mnemônica em um papel. No entanto essa opção é muito menos segura, pois o seu computador ou o seu celular podem estar comprometidos por vírus que monitoram as suas atividades.

Passo 3: Passando os dados para o papel

Opção 1: Imprimindo a carteira

Você pode optar por imprimir a página do moneroaddress.org que contém todas as informações necessárias para a sua carteira. Apesar de ser bastante seguro, ainda existe o risco de a sua impressora estar comprometida.

Esse risco é maior se você estiver imprimindo em uma impressora compartilhada ou conectada numa rede. Há uma  chance que a impressora envie os dados para algum administrador (o setor de informática do local onde você trabalha), ou que elas fiquem armazenas na memória física da impressora. Como os firmwares das impressoras normalmente não são muitos seguros, não é impossível que uma impressora esteja infectada com um vírus que verifica e envia tudo o que foi impresso.

Em função dos riscos de a sua impressora estar comprometida, o ideal é que você imprima a sua carteira em branco e escreva manualmente as palavras da semente usando uma caneta comum.

Opção 2: Escrevendo à mão com uma caneta

A maneira mais segura de passar os dados da carteira para um papel é escrevendo-os usando uma caneta.

Você pode usar nossos modelos abaixo para imprimir a sua carteira. Imprima as duas imagens abaixo na mesma folha, usando a frente e o verso da página. Imprima em modo paisagem e ajuste outros detalhes de acordo com a sua impressora. Clique nas imagens pra abri-las na resolução máxima.

Carteira em papel – Frente

Carteira em papel – Verso

Alternativamente você pode imprimir a nossa versão simplificada:

Corte a carteira na área demarcada. Escreva as 25 palavras que formam sua chave privada com uma caneta esferográfica comum.

No verso da carteira deixamos um espaço para você anotar a data em que foi criada e outros dados como o endereço público, o endereço de visualização e/ou o saldo depositado.

As 25 palavras correspondem à semente mnemônica, que é a única informação necessária para recuperar o backup de sua carteira em qualquer outro dispositivo. A carteira restaurada não solicitará nenhuma senha, e a pessoa que possuir a semente em mãos terá acesso a todos os fundos ali contidos.

Após escrever a semente na sua carteira em papel, dobre-a conforme indicação da imagem abaixo. Se você estiver com receio de que a tinta não esteja seca, utilize um pedaço de papel e pressione contra a escrita.

Passo 4: Armazenando a carteira

Selos de segurança

Para garantir que ninguém teve acesso à sua semente mnemônica, cole selos holográficos de segurança nas partes dobráveis da carteira. Dessa maneira você saberá se sua carteira foi comprometida por um terceiro.

Se você não precisa deste nível de segurança, você pode usar qualquer fita adesiva.

Armazenamento à prova de fogo e água

Para prevenir que seu cachorro coma sua carteira, ou que ela seja vítima de inundações ou incêndios, use uma capsula à prova d’água. Em seguida, coloque a capsula dentro de um saco à prova de fogo. Estes produtos podem ser achados em lojas na internet como o eBay ou Mercado Livre.

About Filipe

Filipe é um membro evangelista do Projeto Monero. Entusiasta do mundo das criptomoedas e da tecnologia Blockchain, ele é autor da maioria dos guias e escreve periodicamente para o site Monero Brasil.

View all posts by Filipe →

One Comment on “Guia: como criar uma carteira em papel para armazenamento offline”

  1. Alou! Boa noite! Agradecida pelo super tutorial. Só restou uma dúvida…Como eu faço pra ver o salto da carteira de papel, sacar ou enviar minhas monas? Entro aonde pra fazer isso, digo? Ó_Ò

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *