Como é realizada a emissão de moedas do Monero?

Muitos usuários de criptomoedas já sabem como funcionará a emissão de moedas no Bitcoin. Serão minerados um máximo de 21 milhões de unidades, até o ano 2140. Ao projetarem a Monero, os seus desenvolvedores resolveram modificar alguns de seus parâmetros, como retirar o limite máximo de moedas a serem mineradas, introduzir uma emissão em cauda. Neste artigo iremos explicar os motivos pelos quais essas decisões foram tomadas.

Emissão inicial

Tanto no Bitcoin quanto no Monero, a emissão inicial segue uma fórmula que rege a recompensa por bloco, que é decrescente.

No Bitcoin, esta fórmula considera a oferta total como 21 milhões de unidades. Depois de estas 21 milhões de unidades terem sido mineradas, nenhuma unidade de Bitcoin será minerada.

No Monero, esta fórmula considera a oferta total como 18,4 milhões de unidades iniciais. Ao contrário do Bitcoin, após estas 18,4 milhões de unidades iniciais terem sido mineradas, os mineradores do Monero ainda continuarão minerando novas moedas. Isso é conhecido como emissão em cauda, que será ativada quando a recompensa por bloco atingir 0,6 XMR, o que acontecerá dois anos antes da oferta total alvo ser atingida (quando já terão sido emitidas 18,1 milhões de unidades).

Emissão em cauda

Uma grande diferença que o Monero tem em relação ao Bitcoin é a emissão em cauda. Ela gera uma oferta infinita de moedas, e garante que os mineradores tenham sempre um incentivo para minerar Monero, mantendo a rede segura. Uma situação diferente ocorre no Bitcoin: quando o último bloco for minerado no Bitcoin, os mineradores deixarão de receber a recompensa do bloco e receberão apenas o dinheiro das taxas da transações. Os efeitos disso poderão ser sentidos até mesmo antes de o último bloco ser minerado, pois as taxas de transação do Bitcoin terão que ser aumentadas para que os mineradores mantenham o mesmo rendimento.

Como a emissão em cauda é linear, ou seja, ela produz um pequeno número fixo de moedas por ano, a inflação anual do Monero irá, a partir do ponto inicial de 0,87%, reduzir em direção a 0%. Para fins comparativos, na última década, a oferta mundial de ouro sobre o solo tem inflacionado 1,7%/ano. Portanto, podemos considerar que o Monero é uma moeda com inflação baixa (<0,9%) e do tipo desinflacionária (com inflação decrescente ao longo dos anos).

Uma das vantagens da emissão em cada é repor as moedas que saem de circulação todos os anos, pois muitos usuários morrem ou perdem suas chaves privadas/carteiras. Outra vantagem da emissão em cauda é uma distribuição mais justa nos custos para se manter a segurança da rede. No futuro, os custos do Bitcoin serão pagos apenas através das taxas das novas transações, ou seja, principalmente pelos usuários novos. No Monero, esses custos serão pagos principalmente através de uma mínima desvalorização anual (perda no poder de compra) de todas as moedas da rede, ou seja, por todos os usuários (antigos e novos).

A emissão em cauda é um tópico polêmico entre os usuários maximalistas do Bitcoin, que acreditam que a inflação do Monero se assemelharia à inflação das moedas fiduciárias. No entanto, a macroeconomia de uma inflação nominal linear é uma situação completamente diferente de uma inflação nominal exponencial. Veja abaixo dados para cada ano da emissão em cauda:

Ano de cauda Emissão anual Total de moedas Inflação anual
1 157.680 XMR 18.131.874 XMR 0,87%
5 157.680 XMR 18.762.594 XMR 0,84%
10 157.680 XMR 19.550.994 XMR 0,81%
15 157.680 XMR 20.339.394 XMR 0,78%
20 157.680 XMR 21.127.794 XMR 0,75%
25 157.680 XMR 21.916.194 XMR 0,72%
30 157.680 XMR 22.704.594 XMR 0,69%

Como podemos ver na tabela, como a quantidade de emissão de novas moedas por ano é fixa e o total de unidades em circulação cada vez aumenta, a inflação anual decresce constantemente. Portanto, a emissão em cauda do Monero faz com que a inflação anual seja previsível, muito pequena (<0,9%) e decrescente a cada ano que passa.

Como os mineradores de criptomoedas lucram?

Ao minerar um bloco, seja no Bitcoin ou no Monero, o minerador recebe dinheiro de duas fontes diferentes:

  • A recompensa do bloco (emissão de novas moedas)
  • As taxas que os usuários pagam a cada transação

Como ocorre a emissão de moedas no Bitcoin?

A emissão inicial do Bitcoin ocorrerá até 2140, quando o limite máximo de 21 milhões de unidades de bitcoins terão sido mineradas. Como a recompensa dos blocos do Bitcoin se reduz a cada quatro anos pela metade, a última unidade de Bitcoin será minerada por volta do ano 2140. A partir deste momento, não será possível minerar mais nenhum bitcoin, e o lucro dos mineradores será proveniente exclusivamente das taxas que os usuários pagam a cada transação.

Além disso, o que acontecerá com a mineração do Bitcoin quando a recompensa do bloco for muito pequena? Ninguém sabe se no futuro as taxas das transações serão um incentivo econômico suficiente para manter os mineradores interessados em minerar Bitcoin. Havendo poucos mineradores interessados em Bitcoin, a segurança da rede pode ser comprometida.

Como ocorre a emissão de moedas no Monero?

A grande diferença do Monero em relação ao Bitcoin é a de que ele foi planejado para ter uma oferta infinita de moedas. Ao minerar um bloco, o minerador do Monero sempre receberá uma recompensa de bloco.

A emissão inicial do Monero é muito mais rápida que o Bitcoin e ocorrerá até o final de maio de 2022, quando 18,1 milhões de unidades terão sido mineradas e a recompensa por bloco será de cerca de 0,6 XMR.

Em junho de 2022, a emissão em cauda será ativada. Ela é uma emissão de uma quantidade fixa de moedas a cada bloco minerado. Cada vez que um bloco for minerado (o que ocorre a cada dois minutos), uma recompensa fixa de 0,6 XMR será criada para o minerador. Isso irá criar uma inflação perpétua menor do que 1% (cerca de 0,87%/ano em maio de 2022). Como o Monero sempre terá recompensa para os mineradores, isso servirá como incentivo para que eles continuem interessados em minerar a moeda.

Quais são as funções principais da emissão em cauda do Monero?

Ter uma recompensa de bloco infinita tem as seguintes vantagens:

  • Servir como incentivo financeiro adicional para manter os mineradores interessados em minerar Monero: no Monero, os mineradores sempre terão dois incentivos financeiros, a recompensa do bloco e as taxas das transações
  • Servir como desincentivo (penalidade) para que os mineradores não aumentem os blocos: como o Monero tem a tecnologia de blocos dinâmicos, os mineradores tem a opção de aumentar o tamanho do bloco infinitamente. No entanto, se um minerador tentar criar um bloco maior do que o tamanho mediano dos últimos 100 blocos, uma penalidade será subtraída da sua recompensa (leia mais nesse artigo). Se não houvesse essa penalidade, os mineradores poderiam criar blocos gigantescos gratuitamente, sem perder nada com isso, o que iria comprometer a descentralização da rede Monero. Resumindo, se os mineradores quiserem aumentarem os blocos, eles precisarão pagar por isso através de suas recompensas do bloco.
  • Repor as moedas que foram perdidas ao longo do tempo: muitas pessoas perdem suas carteiras, outras pessoas morrem e não avisam a família que tinham Monero. Todas essas moedas acabam saindo de circulação.

Quais são as fontes de renda dos mineradores do Bitcoin e do Monero?

  • Recompensa do bloco
    • Bitcoin: existirá até 2140 (emissão inicial)
    • Monero: sempre existirá (emissão inicial + emissão em cauda)
  • Taxas que os usuários pagam a cada transação
    • Bitcoin: sempre existirá
    • Monero: sempre existirá

Tabela comparativa

Bitcoin Monero
Oferta máxima 21 milhões Oferta infinita
Emissão inicial Rápida (21 milhões de BTC em X anos) Muito rápida (18,4 milhões de XMR em X anos)
Data do final da emissão inicial 2140 2020
Inflação anual Decrescente
Inflação anual nos primeiros anos
Inflação anual a longo prazo 0% Muito próxima a 0%
Macroeconomia Inflacionária (desinflacionária) até 2140. Depois, deflacionária Inflacionária (desinflacionária)
Recompensa Reduz a cada quatro anos até chegar a 0 BTC/bloco em 2140 Reduz constantemente até chegar a 0,6 XMR/bloco em 2020 (emissão em cauda).

A tabela abaixo foi gerada a partir dos dados fornecidos por uma planilha da comunidade.

Ano Oferta Emissão diária Recompensa Inflação diária % Minerado
Jan/2015 BTC: 13,2 mi

XMR: 5,5 mi

BTC: 3.600

XMR: 17.770

BTC: 25

XMR: 12,3

BTC: 0,03%

XMR: 0,3%

BTC: 63,1%

XMR: 29,8%

Jan/2016 BTC: 14,6 mi

XMR: 10,6 mi

BTC: 3.600

XMR: 10.761

BTC: 25

XMR: 7,5

BTC: 0,02%

XMR: 0,1%

BTC: 69,3%

XMR: 57,5%

Jan/2017 BTC: 15,8 mi

XMR: 13,7 mi

BTC: 1.800

XMR: 6.507

BTC: 12.5

XMR: 9,0

BTC: 0,01%

XMR: 0,04%

BTC: 75,3%

XMR: 74,3%

Jan/2018 BTC: 16,5 mi

XMR: 15,5 mi

BTC: 1.800

XMR: 3.940

BTC: 12,5

XMR: 5,5

BTC: 0,01%

XMR: 0,025%

BTC: 78,4%

XMR: 84,4%

Jan/2019 BTC: 17,1 mi

XMR: 16,7 mi

BTC: 1.800

XMR: 2.386

BTC: 12,5

XMR: 3,3

BTC: 0,010%

XMR: 0,014%

BTC: 81,6%

XMR: 90,6%

Jan/2020 BTC: 17,8 mi

XMR: 17,4 mi

BTC: 1.800

XMR: 1.445

BTC: 12,5

XMR: 2,0

BTC: 0,010%

XMR: 0,008%

BTC: 84,7%

XMR: 94,3%

Jan/2021 BTC: 18,4 mi

XMR: 17,8 mi

BTC: 900

XMR: 873

BTC: 6,25

XMR: 1,2

BTC: 0,0048%

XMR: 0,0049%

BTC: 87,7%

XMR: 96,5%

Jan/2022 BTC: 18,7 mi

XMR: 18,0 mi

BTC: 900

XMR: 529

BTC: 6,25

XMR: 0,7

BTC: 0,0048%

XMR: 0,0029%

BTC: 89,3%

XMR: 97,9%

Jan/2023 BTC: 19,0 mi

XMR: 18,2 mi

BTC: 900

XMR: 432

BTC: 6,25

XMR: 0,6

BTC: 0,0047%

XMR: 0,0023%

BTC: 90,8%

XMR: 98,8%

Jan/2024 BTC: 19,4 mi

XMR: 18,3 mi

BTC: 900

XMR: 432

BTC: 6,25

XMR: 0,6

BTC: 0,0046%

XMR: 0,0023%

BTC: 92,4%

XMR: 99,6%

Jan/2025 BTC: 19,7 mi

XMR: 18,5 mi

BTC: 450

XMR: 432

BTC: 3,12

XMR: 0,6

BTC: 0,0022%

XMR: 0,0023%

BTC: 93,9%

XMR: 100,52%